BOLSONARO E A PROLIFERAÇÃO DO VíRUS - Em depoimento no Senado diante da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid, Marcelo Queiroga, ministro da saúde, foi acuado e não pode fugir de concordar que o presidente Bolsonaro atua na proliferação do coronavírus.

t.me/ptoficial/7621

Patrimônio dos super-ricos brasileiros aumentou 71% em plena pandemia; enquanto isto a crise causa desemprego e fome entre a população mais pobre.

cut.org.br/noticias/brasil-tem

Hoje, 1º de abril, dia da mentira, completa-se 57 do golpe militar de 64 que instituiu uma ditadura no Brasil (os militares dizem que foi na noite de 31 de março, para evitar piadinhas). Está em curso por setores reacionários, governo incluso, uma tentativa de reescrever a história e louvar o 'movimento" com "comemorações" da data. aos interessados no tema escrevi um comentário sobre o assunto.

contextosocial.com.br/jornalis

REFORMA MINISTERIAL -- Mudanças no governo Bolsonaro já eram esperadas, o que não se sabia é que seria tão atabalhoada assim. Uma das análises mais contundentes deste momento é a de
Ricardo Kotscho, que participou do governo Lula e possui boas fontes na esfera federal.
noticias.uol.com.br/colunas/ba

Lula depois da decisão do STF que cancelou a "tramoia" organizada por Sérgio Moro para favorecer o Coiso.

ATÉ QUANDO? - Ainda em março o Brasil vai atingir a marca de 12 milhões de infectados e 300 mil mortes pela COVID-19. Até quando os poderes Legislativo e Judiciário vão se submeter - e serem cúmplices - desta tragédia capitaneada pelo Executivo comandado pelo capitão genocida?

Felipe Neto, um conhecido "não sei bem o que" possui milhões de seguidores nas redes sociais e tem se caracterizado por fazer uma forte - e muitas vezes divertida - oposição ao governo destrutivo de Bolsonaro. Agora ele está divulgando uma ótima "contrapropaganda". Vale a pena ver.
twitter.com/felipeneto/status/

A Comissão Arns, por uma de suas fundadoras, Maria Hermínia Tavares de Almeida, fez nova denúncia contra o governo Bolsonaro nesta segunda-feira (15) no Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na Suíça: “a responsabilidade do presidente Bolsonaro em promover, por palavras e atos, uma devastadora tragédia humanitária, social e econômica no Brasil”. A representação tem o apoio de outra organização, a Conectas Direitos Humanos.

youtube.com/watch?v=_wokewNG4r

Bolsonaro perdeu a legitimidade e não pode continuar sendo presidente da República. O mandato não é dele. É do povo. E se ele governa contra o povo, o povo tem o direito de exigir que ele abandone o cargo, devolva o mandato. Bolsonaro precisa ser confrontado por um levante cívico que o faça renunciar.

diariodocentrodomundo.com.br/p

A razão pela qual Bolsonaro se mantém no poder (e tudo indica que continuará) é que a minoria burguesa milionária que controla o país entende que a sua queda beneficiaria a esquerda. Eles não enterraram o Brasil no caos para devolver o poder novamente aos "comunistas". Como o campo conservador não tem nenhum nome viável para substituir o capiroto e melhor deixa o país do jeito que está; destruído.

Zé Dirceu, ex-ministro do gov. Lula e vítima da Lava Jato faz uma análise sobre o caos político em que nos encontramos. Segundo ele não há acordo entre as forças anti-Bolsonaro sobre a soberania nacional, sobre a questão da distribuição de renda e riqueza, o fim da exclusão social e da desigualdade. A direita liberal critica o obscurantismo de Bolsonaro, mas o tolera pela manutenção de seus privilégios. O que divide é o medo das mudanças sociais.

prerro.com.br/sem-questao-soci

FHC É CONTRA - O ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso não apoia o impeachment de Jair Bolsonaro. Segundo ele, depois do afastamento da presidenta Dilma (por "pedaladas fiscais" que não é crime mais sim uma artimanha contábil) um novo impeachment seria ruim para a democracia. Segundo a tese defendida pelo ex-presidente/ex-sociólogo para manter viva a liberdade é preciso conservar um fascista no poder. Vá saber qual é o referencial teórico...

Mostrar mais antigos
Mastodon (PT)

Mastodon é uma rede social baseada em protocolos abertos da web e software livre e gratuito. É descentralizado como e-mail.